A dinâmica das Minifiguras Lego – Parte 3

Na parte 2 desta série de posts falei na minha experiência inicial de colecionador, onde comecei a comprar e qual foi a minha evolução, evolução essa que considero comum a muitos colecionadores. E ficamos naquilo que eu designo de submundo do Lego.

O que eu designo de submundo de Lego é basicamente o mercado português de revenda de Lego. Temos desde pequenos colecionadores que compram alguns sets em promoções, até aquelas que adquirem grandes quantidades de Lego, abrem-nos e vendem-nos às peças.

E este submundo é de loucos. Já alguma vez reparam qual é o brinquedo que mais rapidamente desaparece das prateleiras quando há promoções de 50%? Exacto, é o Lego. Nas promoções de 50% (como por exemplo a que o Continente faz todos os anos em cartão) temos uma grande percentagem de pessoas que estão lá com um único objectivo: comprar para revender. Não considero isto mau até porque vão revender os sets a preços bem mais interessantes que na Lego, no entanto considero mau porque muitas vezes limpam os melhores sets à cabeça, não se limitando a levar apenas 1, mas levando todos os que existem. E é giro porque quem frequenta as comunidades de Lego (como por exemplo as do facebook) ou o OLX nota que nos dias posteriores às promoções uma grande quantidade de oferta aparece online.

É mais ou menos neste estado de colecionador que me encontro. Irremediavelmente se entra no mundo da revenda de sets. No meu caso em especifico e como só faço colecção de minifiguras, apenas compro os sets que possuem figuras que me interessam e tipicamente compro-os em promoção. Após isso retiro as figuras e cuidadosamente volto a selar as caixa e vendo essas caixas a um nicho de pessoas que não têm tanto interesse em figuras. E naquelas que se consegue vender até compensa. Um exemplo:

Imaginemos que temos um set, 76040 – Brainiac Attack. O valor é cerca de 33€ no El Corte Inglés. Se virmos o valor de cada figura individual, custam todas na ordem dos 10€ (se procurarmos no ebay). Ou seja este set de 33€ tem 40€ em figuras. Quer dizer que se comprarmos o set já estamos a ganhar dinheiro. Se retirarmos as figuras e conseguirmos vender o restante ainda poupamos mais, tendo um custo por figura de cerca de 5€ em vez dos iniciais 10€ (assumindo uma venda do restante set de cerca de 15€). Ganha o colecionador de figuras que compra a figura a um preço muito mais baixo e ganha o colecionador de sets que compra o set a um valor mais atractivo.

BrainiacAttack

No entanto o risco é muito grande. A maioria dos fans de Lego querem apenas os sets novos e selados. Daí o que eu faço é bastante arriscado e apenas o faço com muito poucos sets tentando que o investimento seja baixo e que não tenha muito stock.

Com este post já deu para perceber a minha evolução e parte da minha estratégia de coleccionismo. Num próximo post vou divulgar mais alguma da minha evolução como colecionador, contando mais um pouco da minha experiência.

A dinâmica das Minifiguras Lego – Parte 2

Num post anterior dei uma introdução sobre a minha visão do mercado das minifiguras LEGO. Hoje vou continuar com a temática, contanto um pouco da minha evolução como coleccionador que penso que é comum a muitos.

Como coleccionador tenho dois objectivos principais:

  • Conseguir o máximo de figuras possível (dentro dos temas que me interessam).
  • Conseguir essas figuras ao mínimo valor possível.

Numa primeira fase começei a fazer o que qualquer colecionador novato faz e começei a comprar no sítios mais comuns. Na realidade portuguesa é o Continente (talvez o sítio mais barato para comprar as figuras), Toys “R” Us, Jumbo, papagaio sem penas, papelarias, algumas lojas específicas que vendiam lego. Mas rapidamente começeu a perceber o stress que é comprar nestas lojas:

  • Continente: indefinição se vai ter ou não a colecção;
  • Papagaio sem penas: valores mais elevados o que encarecem a colecção;
  • Toys “R” Us: costumam ter, mas o preço é elevado;
  • Jumbo: até é barato, mas selam as figuras dentro de uma caixa para evitar identificação;
  • Papelarias: ora têm, ora não têm e não dá para apalpar;
  • Lojas específicas de Lego: não há muitas… Mas as que conheço pode-se escolher;

Series 13

E então apercebi-me…. estava perito na apalpação… Via uma coleção nova no supermercado e, enquanto a minha mulher ia com a minha filha iam às compras, ficava o maluquinho a apalpar minifiguras. E mais… Enquanto não tinha a coleção completa, estava sempre batido no Continente… Quem começa a colecionar minifiguras sabe do que falo infelizmente. Depressa percebi que este não era o caminho.

Voltei-me para os fornecedores online. Procurei na net e inicialmente aterrei no ebay. No ebay, eu e o meu amigo arranjamos o que chamava-mos de “nossos dealers”. Na época (não à tanto tempo quanto isso) os valores eram bastante em conta tanto para séries novas, como para séries mais antigas, e começou o vicio de encomendar via ebay. Mesmo com portes compensava bastante e sempre conseguiamos poupar 10cts, 20cts às vezes mais por figura. E com este método já não pareciamos os maluquinhos dos apalpanços. No entanto, e como acontece no colecionismo em geral, se começa a dar dinheiro os dealers têm a tendência a esticar-se bastante e o ebay face ao preço das figuras mais os portes começou a não compensar.

Foi aí que me virei para o submundo do Lego e começei a explorar comunidades e então o meu mundo mudou. Havia dezenas de pessoas que colecionavam figuras como eu e muitas delas vendiam e trocavam e um novo leque de possibilidades se abriu a minha frente.

Num próximo post tenciono falar um pouco deste submundo do Lego, a sua dinâmica e o como o colecionador o pode explorar para completar a sua coleção.

A dinâmica das Minifiguras Lego – Parte 1

Comecei a coleccionar a sério Lego à cerca de 2 anos “vítima” de uma grande amigo que já o coleccionava. Mas quando digo coleccionar Lego não falo dos grandes Sets, mas sim das pequenas Minifiguras que ao longo dos anos evoluíram. Passaram de ser bonecos amarelos simples e com uma cara padrão (dois pontos e uma boca) para figuras complexas, cheias de detalhe e onde a cara quase que define a sua personalidade.

Inicialmente comecei pelas pequenas saquetas de minifiguras. Uma colecção que se divide em séries e é composta por 16 Minifiguras únicas, de temas variados e em saquetas fechadas. Estas séries começaram a ser lançadas em 2010 e são lançadas cerca de 3 por ano. Quando começei a coleccionar já ia na série 11 embora ainda tenha conseguido encontrar a série 7 à venda por apenas 2€. Bons velhos tempos em que cada saqueta era comprada por 2€. Porque hoje para além da qualidade da figura ter diminuído (não em termos de aspecto, mas em termos de qualidade dos materiais) as saquetas também aumentaram de preço custando qualquer coisa como os 2.99€ e 3.99€. Isto não parece muito mas se fizermos as contas, uma colecção de 16 figuras que antigamente custava 32€ hoje nunca fica a pelo menos a 48€.

Escusado será dizer que este tipo de coleccionismo centrado exclusivamente em Minifiguras foi um brutal sucesso. Tão brutal que à medida que o tempo passa o seu valor cresce de forma abismal. Só para se ter uma ideia, figuras da primeira série que eram vendidas a apenas 2€, facilmente chegam aos 10€ sendo a mais cara da série a enfermeira que facilmente consegue passar os 30€.

Lego Série 1
Lego Série 1

E tipicamente não fica por aí. Apesar de se ainda conseguir arranjar bons negócios com figuras de séries antigas, existem certas figuras que atingem valores quase proibitivos para um pedaço de plástico tão pequeno. Tipicamente são as figuras mas cool, mas também o preço pode ser traçado pela sua raridade dentro de uma caixa. Ou seja, uma caixa de figuras é constituída por 60 saquetas. Se nessas 60 só existirem 2 ou 3 figuras de um determinado tipo, essa figura torna-se rara. Apesar de hoje em dia as caixas trazerem pelo menos 3 figuras de cada, nas caixas originais das séries não era bem assim.

Caixa de Lego Série 1
Caixa de Lego Série 1

E até agora só falámos de figuras das séries, porque minifiguras temáticas (Star Wars, Lord of the Rings, Marvel, DC, etc) são outra história completamente diferente. Figuras que são entregues de forma gratuitas nas Comic Cons dos Estados Unidos chegam rapidamente a valores absurdos de 300€, 400€ para cima. Porquê? São exclusivas, por vezes únicas e muito limitadas.

Ser colecionador não é fácil e entrar nesta dinâmica de conhecer o que é e o quê não é também não. Este é apenas o primeiro de uma série de posts em que irei escrever sobre estratégias que uso para comprar figuras, revelando alguns dos métodos que uso e que já me fizeram poupar bastante dinheiro.