A dinâmica das Minifiguras Lego – Parte 2

Num post anterior dei uma introdução sobre a minha visão do mercado das minifiguras LEGO. Hoje vou continuar com a temática, contanto um pouco da minha evolução como coleccionador que penso que é comum a muitos.

Como coleccionador tenho dois objectivos principais:

  • Conseguir o máximo de figuras possível (dentro dos temas que me interessam).
  • Conseguir essas figuras ao mínimo valor possível.

Numa primeira fase começei a fazer o que qualquer colecionador novato faz e começei a comprar no sítios mais comuns. Na realidade portuguesa é o Continente (talvez o sítio mais barato para comprar as figuras), Toys “R” Us, Jumbo, papagaio sem penas, papelarias, algumas lojas específicas que vendiam lego. Mas rapidamente começeu a perceber o stress que é comprar nestas lojas:

  • Continente: indefinição se vai ter ou não a colecção;
  • Papagaio sem penas: valores mais elevados o que encarecem a colecção;
  • Toys “R” Us: costumam ter, mas o preço é elevado;
  • Jumbo: até é barato, mas selam as figuras dentro de uma caixa para evitar identificação;
  • Papelarias: ora têm, ora não têm e não dá para apalpar;
  • Lojas específicas de Lego: não há muitas… Mas as que conheço pode-se escolher;

Series 13

E então apercebi-me…. estava perito na apalpação… Via uma coleção nova no supermercado e, enquanto a minha mulher ia com a minha filha iam às compras, ficava o maluquinho a apalpar minifiguras. E mais… Enquanto não tinha a coleção completa, estava sempre batido no Continente… Quem começa a colecionar minifiguras sabe do que falo infelizmente. Depressa percebi que este não era o caminho.

Voltei-me para os fornecedores online. Procurei na net e inicialmente aterrei no ebay. No ebay, eu e o meu amigo arranjamos o que chamava-mos de “nossos dealers”. Na época (não à tanto tempo quanto isso) os valores eram bastante em conta tanto para séries novas, como para séries mais antigas, e começou o vicio de encomendar via ebay. Mesmo com portes compensava bastante e sempre conseguiamos poupar 10cts, 20cts às vezes mais por figura. E com este método já não pareciamos os maluquinhos dos apalpanços. No entanto, e como acontece no colecionismo em geral, se começa a dar dinheiro os dealers têm a tendência a esticar-se bastante e o ebay face ao preço das figuras mais os portes começou a não compensar.

Foi aí que me virei para o submundo do Lego e começei a explorar comunidades e então o meu mundo mudou. Havia dezenas de pessoas que colecionavam figuras como eu e muitas delas vendiam e trocavam e um novo leque de possibilidades se abriu a minha frente.

Num próximo post tenciono falar um pouco deste submundo do Lego, a sua dinâmica e o como o colecionador o pode explorar para completar a sua coleção.

One thought on “A dinâmica das Minifiguras Lego – Parte 2”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.