Star Wars: O Despertar da Força – o rescaldo

StarWars ForceAwakens

Ainda estou no rescaldo do filme e penso que ainda não consegui assentar as minhas ideias. É difícil escrever sobre um filme quando se é fan de uma saga. Não consigo ser imparcial. Eu adorei, adorei todos os momentos e fiquei extasiado quase o filme tudo. Foi um rasgo de emoções ao ver o retorno da saga que tanto adoro.

Foram cerca de 2 horas de um filme que não só consegue fechar um ciclo como consegue começar outro. Trás de volta Han Solo (Harrison Ford), Luke Skywalker (Mark Hamill), a outrora princesa e agora General Leia Organa (Carrie Fisher), Chewbacca (Peter Mayhew) R2-D2 e C3PO (Peter Mayhew) e introduz 5 novos personagens principais: Rey (Daisy Ridley), Finn (John Boyega), Poe Dameron (Oscar Isaac) Kylo Ren (Adam Driver) e BB-8. Temos também personagens mais secundários como o General Hux (Domhnall Gleeson), Captain Phasma (Gwendoline Christie) e o Líder Supremo Snoke (Andy Serkis) que fazem parte da Primeira Ordem, mas não têm a participação que eu esperava. Principalmente a Captain Phasma que é uma ausência notável e não tem a relevância que eu esperava que tivesse (pelo menos neste primeiro filme).

First Order

O filme segue a formula vencedora da triologia original com a qual se conseguem fazer muitas analogias quase tendo a sensação que é um remake em alguns dos pontos. Sem querendo fazer spoilers, este filme fala de um soldado do império que não concorda com os métodos das Primeira Ordem, de uma sucateira que se vê envolvida numa confusão que para salvar a vida se junta a Finn e a BB-8, o robot com um segredo bem guardado e que em conjunto tentam encontrar a rebelião. Pelo caminho encontram Han Solo, Chewie, o novo inimigo e detentor de um sabre de luz Kylo Ren, Leia Organa, Poe Dameron, o melhor piloto que a rebelião tem e a substituta da estrela da morte, a StarKiller base.

Tudo isto misturado pela genialidade de JJ Abrams e os escritores Lawrence Kasdan (Empire Strikes Back, Return of the Jedi, Indiana Jones) e Michael Arndt (Toy Story 3 e Hunger Games) faz de o Despertar da Força um filme que finalmente deu aos fans aquilo que eles precisavam. Depois das prequelas mal conseguidas cheias de CGI e personagens patéticas, temos um filme ao nível dos originais com uma grande dimensão dramática, toques pontuais de comédia e acção de cortar o fôlego. Tudo ingredientes para colocar este filme no pódio dos melhores filmes da Saga feitos até ao momento.

Fiquei satisfeito e penso que valeu bem a espera. Agradeço à Disney ter comprado a Lucasfilm e ter escolhido JJ Abrams para fazer renascer das cinzas a maior Saga que alguma vez chegou ao cinema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.