A dinâmica das Minifiguras Lego – Parte 3

Na parte 2 desta série de posts falei na minha experiência inicial de colecionador, onde comecei a comprar e qual foi a minha evolução, evolução essa que considero comum a muitos colecionadores. E ficamos naquilo que eu designo de submundo do Lego.

O que eu designo de submundo de Lego é basicamente o mercado português de revenda de Lego. Temos desde pequenos colecionadores que compram alguns sets em promoções, até aquelas que adquirem grandes quantidades de Lego, abrem-nos e vendem-nos às peças.

E este submundo é de loucos. Já alguma vez reparam qual é o brinquedo que mais rapidamente desaparece das prateleiras quando há promoções de 50%? Exacto, é o Lego. Nas promoções de 50% (como por exemplo a que o Continente faz todos os anos em cartão) temos uma grande percentagem de pessoas que estão lá com um único objectivo: comprar para revender. Não considero isto mau até porque vão revender os sets a preços bem mais interessantes que na Lego, no entanto considero mau porque muitas vezes limpam os melhores sets à cabeça, não se limitando a levar apenas 1, mas levando todos os que existem. E é giro porque quem frequenta as comunidades de Lego (como por exemplo as do facebook) ou o OLX nota que nos dias posteriores às promoções uma grande quantidade de oferta aparece online.

É mais ou menos neste estado de colecionador que me encontro. Irremediavelmente se entra no mundo da revenda de sets. No meu caso em especifico e como só faço colecção de minifiguras, apenas compro os sets que possuem figuras que me interessam e tipicamente compro-os em promoção. Após isso retiro as figuras e cuidadosamente volto a selar as caixa e vendo essas caixas a um nicho de pessoas que não têm tanto interesse em figuras. E naquelas que se consegue vender até compensa. Um exemplo:

Imaginemos que temos um set, 76040 – Brainiac Attack. O valor é cerca de 33€ no El Corte Inglés. Se virmos o valor de cada figura individual, custam todas na ordem dos 10€ (se procurarmos no ebay). Ou seja este set de 33€ tem 40€ em figuras. Quer dizer que se comprarmos o set já estamos a ganhar dinheiro. Se retirarmos as figuras e conseguirmos vender o restante ainda poupamos mais, tendo um custo por figura de cerca de 5€ em vez dos iniciais 10€ (assumindo uma venda do restante set de cerca de 15€). Ganha o colecionador de figuras que compra a figura a um preço muito mais baixo e ganha o colecionador de sets que compra o set a um valor mais atractivo.

BrainiacAttack

No entanto o risco é muito grande. A maioria dos fans de Lego querem apenas os sets novos e selados. Daí o que eu faço é bastante arriscado e apenas o faço com muito poucos sets tentando que o investimento seja baixo e que não tenha muito stock.

Com este post já deu para perceber a minha evolução e parte da minha estratégia de coleccionismo. Num próximo post vou divulgar mais alguma da minha evolução como colecionador, contando mais um pouco da minha experiência.

One thought on “A dinâmica das Minifiguras Lego – Parte 3”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.