Crítica de Batman V Superman: Dawn of Justice

Ontem finalmente fui ver o filme do momento e devo dizer que esteve dentro das minhas expectativas. Quando vou ver um filme de super heróis não estou à espera de ver brilhantes actuações e um argumento digno de ganhar vários oscars. Tenho a expectativa de ver um filme com uma história coerente, cheio de acção e vilões aceitáveis.

BatmanVSuperman

O filme como um todo está muito Dark. Começa-se por centrar no personagem do Batman, um Batman já com 20 anos de carreira, um Batman que já viveu muito e vive revoltado. Revoltado com um Super Homem que chegou aparentemente para salvar o mundo, mas que não dá contas a ninguém nem parece ter respeito pela vida humana. É este sentimento de revolta que dá o mote ao filme e que transforma o Batman que estamos habituados, um personagem sábio, excelente detective com um intelecto de génio num vingador obscuro, vazio, cego de raiva que em nada caracteriza o personagem que estamos habituados. Apesar da excelente interpretação de Ben Affleck que considero que fez uma boa interpretação dentro do que era esperado. Não fiquei fan de um Batman que o que apenas quer é vingança e quem muda de opinião pela razão mais parva deste mundo…

Batman

Ao problema de Batman segue-se o problema do Super Homem que neste filme também anda dividido entre ser adorado por uns e detestado por outros, quase como um cachorro sem casa a chorar pelos cantos.

Superman

No geral é algo entre os Avengers de Joss Whedon que oferece um bom filme de acção, com muitos momentos cómicos que libertam a tensão da luta, e o realismo de um Dark Knight de Christopher Nolan que, na minha opinião, ele e Christian Bale conseguiram criar aquele que é a melhor encarnação de Batman até ao momento. Nem mesmo a magnífica interpretação de Jeremy Irons como Alfred dá para salvar, que quase serve como um relief devido à ironia que usa sempre que se dirige a Bruce Wayne, dá para melhorar o feeling do filme.

Outro dos problemas graves é a inclusão não essencial de dois universos das comics. Um deles é Injustice: Gods Among Us e o outro não posso dizer sem estragar o filme. Parecem terem sido literalmente colados a cuspo só porque sim. Snyder, tira notas da Marvel. Eles já fizeram uma dúzia de filme e eles sabem-no fazer muito bem (quase todos). Nem o final que deveria ter dado algo à audiência para ficar expectante pelo filme da Justice League aconteceu. Houve uma mensagem insípida que transmitiu aquilo que se esperava, mas não deu o mote para o próximo filme.

Quanto a Lex Luthor… Dos mais fracos de sempre… Para começar nunca achei que Jesse Eisenberg tivesse a capacidade de representar um personagem tão grande como Lex Luthor. Apesar de ser bom actor, não teve. A representação foi quase a de um Joker. Lex Luthor é um personagem cuidado, calmo, inteligente, ponderado. Este foi um Lex psicótico, caótico, inconsistente… As suas intenções foram um porque sim, e não algo complexo parte de um plano maior.

LexLuthor

No geral achei que o filme satisfaz, mas que fica aquém de filmes que a DC fez no passado, como os 3 filmes da saga de Nolan. Esses sim deviam ser o mote para o DC cinematic universe e não foram… É triste para mim ver que uma saga que podia ser mais grandiosa que o MCU se perde devido a um realizador que não entente os personagens da história e cria uma história caótica, sombria e nada aliciante.

Mesmo com todos os defeitos que o filme tem, foi a maior estreia de sempre para um filme baseado em banda desenhada com $424 milhões facturados a nível global. Sim, ficou à frente de ambos os filmes dos Avengers.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.